quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Medos durante a gestação

Eu acredito que toda novidade traz consigo o medo.
Segundo o dicionário "medo" é um estado emocional de consciência de perigo ou ameaça que podem ser reais ou imaginários, ou  ainda podemos denominar o medo como preocupação com determinado fato ou determinada possibilidade, acredito que essa última definição é ótima para as gestantes, afinal um mundo novo se aproxima em uma velocidade inacreditável.

Quando eu engravidei do meu primeiro filho o meu maior medo era não conseguir amamentar, eu havia cuidado do meu irmão e não achava que seria complicado repetir com meu filho, cuidados como banho, fraldas, soninho, alimentação, porém quem tinha amamentado tinha sido minha mãe e eu tinha muito medo de não conseguir.

Já quando engravidei do Bj, eu me achava expert afinal tinha cuidado do Adrian há menos de dois anos, isso foi um engano, com ele aprendi que uma criança é diferente da outra, podemos ser mais seguras mas nada sabemos com relação aquele novo ser. O meu maior medo nessa época era de não conseguir amar o segundinho como o primeiro.

O medo mais bobo que tive foi na gestação da Baby, tive medo de não saber limpar uma vagininha. Eu, irmã mais velha de um menino, mãe de outros dois e tia de mais dois, nunca havia limpado uma menininha, então ficava com medo dela pegar uma infecção ao ainda de machucá-la.

Em um grupo de mães perguntei do que elas mais tinham medo na gestação, a maioria respondeu que o maior medo era o de perder o bebê. Eu tive esse medo em todas e agora nessa quarta também tenho.
O segundo medo é o do parto, muitas tem esse medo por causa de histórias que escutam, e por incrível que pareça sempre tem alguém que tem um história horrível para contar para mulher grávida.

Agora vem a parte boa da história, primeiro: Você não está só! Todas as mães tem medo, todas passam por eles com mais ou menos tranquilidade, porém elas passam.
Segundo: Como mãe de quatro filhos posso dizer podemos fazer algumas coisas para amenizar esse medo e vou dar algumas dicas.

Começando por meus medos, como superei para chegar ao final da gestação com tranquilidade.

O primeiro que era medo de amamentar, eu fui me informar. Assisti palestras, conversei com o meu pediatra, li revistas, falei com a minha mãe e assim fui transformando o medo em pensamento positivo, usando o mantra " eu posso, eu consigo".
Assim que Adrian nasceu eu já tinha leite, mesmo ele nascendo de cesária.
O segundo medo de não amar igual, eu procurava não pensar. Concentrava toda a minha energia em aproveitar o mais velho, pois sabia que seria complicado quando o bebê nascesse. No momento que vi o rostinho do segundo o meu amor multiplicou, é igual não tem diferença nenhuma, quando nasce é um soco de amor.
Já o medo de limpar a Baby foi vencido de forma semelhante ao de amamentar, muita informação e perguntas para profissionais, minha mãe e outras mães de meninas. Tirei de letra assim que ela nasceu e já ajudei muitas mães de menininhas.

Bem, com relação aos medos comuns, como o de perder o bebê e o do parto.
Sempre pensei que o acompanhamento da gestação é fundamental nesse quesito, um bom profissional transmite segurança para a mãe, e se você fizer direitinho o pré natal a probabilidade de tudo dar certo é enorme. Esse medo por um lado é bom, para que fiquemos espertas em qualquer alteração, não se sinta exagerada, segue o teu coração se achar que tem algo errado vá ao médico, não espere.
Já com relação ao parto, procure filtrar o que os outros contam, nem tudo o que aconteceu com a outra irá acontecer com você. Converse durante o pré natal com a obstetra que irá tirar todas as suas dúvidas com relação ao parto, informe-se, visite a maternidade para ter maior segurança. Lembre-se que o querer ajuda muito na hora do parto normal e que tem preparo para que tudo ocorra bem.

E você tem medo de quê? Compartilhe conosco, quem sabe podemos nos ajudar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário